Google+ Badge

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

QUE PERNAS!!!




Era um dia de verão, tal qual o dia de hoje. Rapazes e moças bronzeados desfilavam pelas ruas da cidade e pela orla marítima. Corpos suados, sarados, torneados que faziam nossos rostos virar só para olhar e admirar tanta beleza, tanta perfeição.

Eu era um ex-adolescente tímido e quando espiava o fazia na maior discrição. Só que naquele dia não me contive: olhei aquela moça morena, cabelos negros, pele bronzeada como aquelas que vemos na televisão que fazem propaganda de qualquer óleo de bronzear. Para piorar ainda mais a minha estupefação usava uma saia rosa muito curta.

Eu nunca fui de dizer piadinhas ou dar aquelas cantadas marotas e baratas para quem passa, mas disse para esta moça: que pernas, heim! Depois disto, não tenho certeza, mas devo ter ficado mais vermelho do que no dia em que eu e meu amigo Adilson fomos à Praia de São Miguel, dentro da grande Florianópolis, e sem nenhum cuidado fiquei um dia inteiro no sol. O resultado foi uma semana sem poder dormir direito, cor “rosa choque” e a pele caindo feito cobra quando muda a pele. Além da cor típica dos loiros quando se expõem ao sol querendo “pegar um bronze” na primeira ida ao sol.

Tudo isto para dizer que o melhor período da vida da gente é este, o da juventude, quando tentamos vencer tudo o que temos pela frente e não parecer ridículos (o que é inevitável). São culpas, timidez, responsabilidade por uma vida de adulto, iniciação na vida de trabalhadores, iniciação sexual (tentando sempre parecer experientes), concluir uma faculdade e principalmente se sentir “gente”.

Hoje nem sei mais que caminhos seguiram aquelas pernas, mas ainda lembro delas quando vou ao mar caminhar só para ver meninas e meninos bonitos na praia e lembrar de mim nesta idade. Que tempo bom!

Sinceramente eu não sei se perdi alguma coisa durante a minha trajetória de vida, mas se tivesse que fazer tudo de novo, penso que faria tudo igual novamente. Quem sabe meu destino seria outro, mas os tempos também são outros, então certamente os resultados também me levaria para um outro lugar, e eu nem posso imaginar qual seria.

Enquanto isto lá na beira do mar muitas pernas caminham seguindo seus destinos. Risos barulhentos, sorrisos abertos, gargalhadas soltas parecem gaivotas barulhentas voando em torno dos barcos carregados de pescado quando se aproximam da praia...





Mário Feijó

13.01.10
Postar um comentário