Google+ Badge

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

CONTIGO EM PARIS






Quando de um simples caule em riste
Um botão de rosas se abre
Oferecendo toa a seiva e seu néctar
Aos insetos a lua lacrimeja 

E o meu coração que palpitava triste
Bate num outro compasso
Os meus olhos lacrimejantes agora
Orvalham por teu amor 

Ouço o mar aqui perto
Trazendo cantigas de ninfas
De seres encantadores que pensam
Tristes são os que não se permitem amar 

Eu me permiti amar você
E como se estivesse em Paris
Realizei meus sonhos de luz
Tornando-os uma realidade em minha vida... 

Mário Feijó
16.01.12  
Postar um comentário