Google+ Badge

sábado, 19 de março de 2011

AMOR TRISTE EXISTE?


Agora que já despi meu corpo
Sinto igualmente a alma desnuda
E envergonhado cubro-me com o manto
Que lua me estendeu sobre o mar...

Banhado nas pérolas
Que caíram do luar
Nesta noite tão incomum
Recolho todas as minhas lágrimas

E sigo procurando nas estrelas
Que criaram pernas no mar
E procuro nelas o brilho que morreu
Junto com aquele amor-vulcão, teu e meu...

Restou apenas para meu consolo
Um amor cego e sem nome
Que eu entrego pelo mundo
A todas as pessoas que dizem me amar!

Mário Feijó
19.03.11
Postar um comentário