Google+ Badge

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

SALTO PARA A VIDA




Há em meu canto
Os versos tristes
E o mesmo canto modorrento
Da cotovia solitária...

Há em meus versos brancos
A cor da nuvem perdida
Encurralada pelo vendaval
E empurrada para a tempestade...

Há em meu olhar um véu
Aquele da noiva que não quer casar
E que se encobre toda para o sacrifício
Leva apenas o seu corpo porque a sua alma não mais existe...

Há em meus dias, noites eternas
Tempo de ressurreição
Um salto no precipício em plena escuridão
Porque quero tentar uma nova chance...

Mário Feijó
16.09.10
Postar um comentário