Google+ Badge

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

UM CONTO DE NATAL



YÉSUS – UM CONTO DE NATAL

Eu sentei à mesa, em um banquinho de madeira que estava ao lado dela. De repente ouvi um clec-clec e senti que um dos pés do banco iria quebrar. Levantei e peguei o banco e o examinei, sem perceber qualquer defeito que justificasse minha apreensão. Sentei novamente lendo um livro com contos de natal, com a ideia de me inspirar a escrever um também.
Novamente ouço o mesmo barulho no banco e resolvo trocá-lo por outro, mas a situação se repetiu com o outro banco. decidi dispensá-los e comecei a refletir sobre a minha vida e os natais que a marcaram. Descobri que além dos que me lembravam perdas pouca coisa de boas lembranças existiam dos natais da minha vida. Não restavam natais felizes.
Entre melancólico, triste e intrigado com os barulhos nos bancos ouço alguém batendo na minha porta, como se descansassem sobre a entrada uma caixa com ferramentas.
Abro a porta e diante de mim há um menino negro lindo, olhos verdes, dentes branquíssimos e um sorriso franco que fazia a gente pensar em felicidade, perguntando:
- Há algum móvel precisando de conserto?
Eu ia responder que não quando lembrei dos bancos. Então mandei-o entrar e olhar os bancos.
Puxei conversa com aquele menino querendo saber um pouco de sua vida. Ele me disse que sua mãe era Dona Maria e seu pai José, mais conhecido como Zequinha Carpinteiro. Senti um certo arrepio já pensando na história de Jesus. Coincidência? Não sabia, mas fiquei intrigado perguntando o seu nome.
O menino sem responder começou a falar de natais, de amor ao próximo e me disse uma frase, como se tivesse conhecimento da minha vida e dos fatos recentes havidos:
- Nada acontece por acaso em nossas vidas. Todos nós temos um prazo para vivenciar a experiência terrena.
Parecia um sobrevivente. Um ser experiente e não uma criança. Parecia ler minha alma, conhecer minhas tristezas, decepções, desesperanças...
Acrescentou em sua fala:
- não devemos nutrir culpas. O amor por nós mesmos, não é egoísmo porque ninguém muda o mundo a partir dos outros, mas a partir de mudanças dentro de nós. E para isto precisamos nos amar, viver momentos de solidão. Quem não sabe viver consigo não saberá conviver com outros.
Perguntei novamente:
- Quem é você?
Ao que ele com uma voz doce falou:
- Yésus!
- Yésus?!!! Perguntei intrigado, não acreditando nas semelhanças com minha experiência cristã.
Ele disse:
- Sim! Sorrindo, continuando a consertar meus bancos.
- Pronto! Seus bancos estão prontos. E caminhou em direção à porta.
Eu perguntei:
- Quanto lhe devo?
Ele respondeu:
- O senhor não me deve nada. Foi só um pequeno ajuste. Mas eu queria algo seu: fé, esperança e amor.
- Seja feliz e pratique sempre o amor. Continue praticando-o em sua vida, junto com a fé e a esperança.
- O meu pai não me deixaria lhe cobrar nada. Disse ele.
Eu me senti tonto e emocionado fechei meus olhos por segundos. Quando os abri não tinha mais ninguém por perto, nem nas escadas, nem embaixo do prédio. A porta estava fechada e no chão encontrei um papel envelhecido que mais parecia um pergaminho onde estava escrito:

AMAI-VOS UNS AOS OUTROS, ASSIM COMO EU VOS AMEI!
Yésus
13.12.13 (século I)
FÉ – ESPERANÇA – AMOR

Se não fosse por este pedaço de papel eu iria pensar que tudo não passou de um sonho.
Acredito numa experiência inexplicável, mas passei a não duvidar mais de nada e aumentei a dose de fé, esperança e amor em minha vida.

Mário Feijó
13.12.13 (século XXI)


Postar um comentário