Google+ Badge

sexta-feira, 9 de março de 2012

A PRISIONEIRA





Ela começou a enredar-se
Em suas próprias teias de lã
Foi a educação, a religião, seu pai,
Seu marido, preconceitos, seus irmãos
Ela não se pertencia em nada
E o máximo que se permitia
Era um carteado às sextas-feiras
Redimindo-se depois nos terços
Que rezava todas as terças-feiras... 

Quase tudo em sua vida
Tinha fios do passado
Que tecia nos sapatinhos de lã
Que doava aos desfavorecidos... 

Ela insegura, agarrava-se às linhas e agulhas
Como se tramasse seu destino
Não cabiam neles desatinos
Nem quando platonicamente se apaixonava... 

Há muito pouco tempo
Pensou se Dulcinéia
E se apaixonou por D. Quixote
Coitada! Quase foi atropelada
Pelo cavalo do “burro”... 

Enquanto sua vida não muda
Ela calada sonha longe
Muito longe do marido,
Seu carcereiro... 

Mário Feijó
09.03.12  
Postar um comentário