Google+ Badge

sábado, 2 de abril de 2011

OVERDOSE DE AMOR


Quando me apaixono
Meto os pés pelas mãos
Todo mundo descobre
E eu nem posso curtir
Sem que todos saibam
Sem que todos sem metam...

Eu mesmo acabo me perdendo
Não consigo evitar e acabo me entregando
com as loucuras que faço
É um período de uma overdose de amor...

Torno-me viciado
Nas emoções que sinto
Quero experimentá-las de novo
E não há antídotos ao amor...

Torno-me tolo
Um perfeito imbecil
Sei que você pode
Tudo o que quiser
Que eu não vou reagir...

Mário Feijó
02.04.11
Postar um comentário