Google+ Badge

domingo, 14 de dezembro de 2014

QUE BICHO VOCÊ SERIA?





QUE BICHO VOCÊ SERIA?

Hoje, lendo a coluna da Martha Medeiros, na Zero Hora, eu pensei “que bicho eu seria, se estivesse numa floresta?
Tenho um “amigo” que me acha um vagalume, provavelmente, pois já insinuou isto numa crônica que falava sobre Narciso, mas ele está enganado a meu respeito.
Também já tive “amiga” cobra que tentou me devorar por causa da luz que viam em mim, mas infelizmente quanto a isto eu não posso fazer nada.
Na realidade eu penso que seria um sapo ou no máximo um gato. Sempre fui sapo, desde criança. Alguns corriam da minha presença, outros até nojo sentiam, daí a tal de luz que tive que acender...
Então quando me tornei adulto fui lapidando minha Inteligência, para não virar mais um burro dentro da floresta, consequentemente fui ganhando luz. Acho que agora sou um sapo iluminando, mas isto também gera despeito e inveja...
No entanto não me vejo melhor que ninguém, mas quem não consegue ser nada na vida torna-se apenas um abutre e torce pela morte dos adversários porque aí eles têm do que se alimentar.
Voltando ao meu lado gato, talvez seja porque tenho um estilo manhoso, olhos azuis (quando era criança diziam que tinha olhos de gato, odiava aquilo e até hoje não me sinto envaidecido por ter olhos claros). Mas meu jeito de gato já me livrou da morte algumas vezes. Além disto eu e os gatos nos entendemos. Há um gato negro de rua que me espera chegar todos os dias, conhece até o barulho do meu carro. Sem carinho e sem ração fica gemendo na porta do prédio.
Eu vejo que não deixamos de ser animais, mesmo com as florestas devastadas. Alguns se aliam a outros, outros se rejeitam. Há os que se respeitam por serem espertos, mas na essência continuamos animais. Uns racionalmente inteligentes e espertos, outros burros pastando, outros ainda menos inteligentes somente na rapina, como fazem abutres e hienas. Mas o que seriamos de nós sem eles?

Mário Feijó 

14.12.14
Postar um comentário