Google+ Badge

terça-feira, 14 de maio de 2013

UM CORPO


UM CORPO

Tu eras apenas um rosto
Que virou um corpo
E que na multidão eu perdi

Distante
Frio
Sem resquícios de calor
Apenas um corpo

E como se foras
Poeira ao vento
Fogo que se alastra
Foste corroendo minh’alma

Um corpo
Um corpo que não se pode tocar
Algo tão efêmero
Como imagens de nuvens no céu...

Mário Feijó
14.05.13
Postar um comentário