Google+ Badge

sábado, 21 de setembro de 2013

RABO DE PAVÃO



RABO DE PAVÃO

Ele tinha um rabo de pavão
Lindo, imponente, atraente
Que fazia seu corpo pequeno
Ganhar ares de gigante

O seu peito era igual
Ao peito de um pombo quando arrulha
Quando quer conquistar no entanto
Pensa que é uma águia

A boca era um céu estrelado
Desses céus de pipoca quando estoura
Que enche a panela inteira
E fica chamando a gente ao prazer

No entanto não passava
De um pequeno frasco
Desses perfumes baratos
Que a gente compra em qualquer camelô

Mário Feijó
21.09.13
Postar um comentário