Google+ Badge

sábado, 31 de dezembro de 2011

COMO VIVEREI SEM TI?



Tu eras a luz
Que iluminava a minha caverna
E quando a tua luz se apagou
Tive que ir para o mundo

Lá fora havia abutres
Animais peçonhentos
Que esperavam para atacar
Uns me fulminavam com amor
(tão cheios de ódio, lamentando
Que o sobrevivente fosse eu)

Outros destruíram tudo o que era nosso
Não interessava a grande dor daquela perda
O dinheiro e os bens era o que lhes importava
E tal como aves de rapina
Não esperaram o calor do teu corpo sumir
Foram passando por cima de tuas cinzas no mar
Destruíram nosso lar, praticaram pequenos furtos
Uniram-se feito lobos para atacar
Com um único objetivo
De não deixar pedra sobre pedra

Minha dor?  Esta não bastava
Eles querem a minha distância – e conseguiram –
Do lar que construímos
E parece que estão decidindo
A minha pena de morte...

Mário Feijó
31.12.11  
  
Postar um comentário