Google+ Badge

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

CONSCIÊNCIA DISPERSA

CONSCIÊNCIA DISPERSA

Quando somos jovens
Não nos preocupamos com a vida
Algumas vezes ficamos assustados
Quando a morte acontece

Então envelhecemos
E a morte se faz presente todos os dias
Seja nas ruas ou nos obituários de jornais
Ou nas dores do corpo

E descobrimos que o existir
É quase tão efêmero quanto
Um raio em noite de chuva
Iluminando e se apagando na escuridão!

Como ser humano
Pouco me interessa
A eternidade da alma
Coisa tão incerta!

De que me interessa ser eterno
Se viverei de outra forma
Terei outro corpo sem matéria
E uma consciência dispersa...

Mário Feijó

03.12.15
Postar um comentário