Google+ Badge

domingo, 6 de dezembro de 2015

OS EXTRATERRESTRES DENTRO DA GARRAFA PET


OS EXTRATERRESTRES DENTRO DA GARRAFA PET

Ela era uma garrafa plástica que jogada ao mar ficou à deriva por muitos anos. Ganhou cracas, até que um dia foi parar na beira da praia. O líquido que havia dentro deteriorou, ficou rosa. Porém ela continuou intacta.

A primeira vista poderia ser um objeto estranho. Muita imaginação e ela poderia ser um detrito espacial, caído de outro planeta. Seu conteúdo pode ser um gás mortal aos terráqueos e quando for aberto se espalhar pela atmosfera destruindo o ar que respiramos. Quiçá ao ser aberto e em contato com os gazes terrenos entre em combustão e destrua todo o planeta? Somos frágeis embora pensemos que nunca seremos destruídos pelo nosso próprio lixo.

Eu deixei a garrafa onde ela estava. Não tive coragem para abri-la. Tampouco havia uma lixeira onde eu pudesse deposita-la. E se houvesse um extraterreno espiando minha atitude e me abduzisse? Nem sou covarde, mas se sobrevivi a tantos acidentes quem me garante que eu sobreviveria a um ataque extraterrestre? Não posso correr mais riscos.

Além disto quem garante que aquela massa pastosa lá dentro não é um monte de seres extraterrestres prontos para se desenvolverem e eclodir diante do primeiro contato com a nossa atmosfera. Não, eu não poderia libertá-los. Eu não posso ser o responsável pela invasão de seres estranhos no planeta.

Diante da dúvida e da minha responsabilidade com os demais seres humanos deixei a garrafa onde estava, torcendo para que o sol fizesse de todo o seu ingrediente um cozido e que os extraterrestres simplesmente morram dentro da sua nave espacial, disfarçada de garrafa pet.

Fui pra casa tranquilamente tomar um café. Nestas alturas os extraterrestres já estão mortos e eu tranquilamente posso caminhar pela orla marítima de Capão da Canoa sem sustos.

Ufa!!!

Mário Feijó

06.12.15 




https://www.facebook.com/mario.feijo2
Postar um comentário