Google+ Badge

terça-feira, 5 de novembro de 2013

LIBERDADE



LIBERDADE

Eu sou livre
Desde que ventre sai
Ganhei a luz e gritei
- Um pranto que não para –

Mesmo assim sou livre
Vou aonde quero
Amo com paixão
Entrego-me e me perco em ti

O meu sopro é livre
O meu querer também
Hoje todos a quem amei se foram
Libertados numa partida sofrida

Algumas vezes foi a finitude da vida
Noutras por terem cumprido suas missões
Quando o amor acabou feito chuva de verão
De tão livres deixaram somente as saudades...

Mário Feijó
05.11.13
Postar um comentário