Google+ Badge

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

MULHERES AFEGÃS

“põe tua boca sobre a minha
Mas me deixa respirar
Para que eu possa falar de amor” *

Este trecho de uma poesia
De mulheres anônimas afegãs
Que se casam obrigadas com desconhecidos
Geralmente, não descobrem nele o amor...

É um grito desesperado
De pessoas que sonham
Que idealizam um ser amado
E que quase nunca é o seu marido...

São versos tristes
De uma realidade amarga
Como amargo é o gosto de sangue
Na boca daquelas que apanham caladas...

Mulheres muitas vezes tratadas
Como se fossem animais
E que servem unicamente
Para o trabalho doméstico
Ou para satisfazer os desejos
Dos machos que as acolhem...

Mário Feijó
19.10.09(*) Texto extraído do livro “O livreiro de Cabul”
Postar um comentário