Google+ Badge

quarta-feira, 3 de junho de 2015

A MORTE DA DOCEIRA Cap. II – Sequência de erros e arrependimento

A MORTE DA DOCEIRA



Cap. II – Sequência de erros e arrependimento

Havia anoitecido desde que Alexandre saiu da praia. A hora agora já se aproximava das 9 horas da noite.
Era uma noite escura. O dia tinha se encerrado assim, visto que ainda chovia na cidade. Parecia a cabeça de Alexandre quando percebia a enrascada em que se metia, complicando-o cada vez mais.
Por que no dia do acontecimento não foi direto à delegacia? Era o que perguntava a si mesmo.
Por que voltara ao local do acidente (agora crime) e cortara a cabeça de Marina?
Por que levara a cabeça para outro lugar?
Tudo isto lhe atormentava agora. Pensava:
Agora sim eu cometi um crime, quando antes tinha sido só um acidente. Ninguém mais vai acreditar em mim se eu voltar e contar o que aconteceu.
Pensava “o destino nos coloca por caminhos tortuosos, cheios de espinhos, momentos inexplicáveis.
Continuava pedalando. Olhava mais para o pretume do asfalto do que para o céu nublado e foi num levantar de olhos, quando já chegava à Costeira do Pirajubaé, que viu uma pequenina capela, típica igreja açoriana, branca e amarela, no meio de muito verde. Parou e sentiu vontade de lá entrar.
Alexandre largou a bicicleta na frente da paróquia e enquanto subia os degraus da igrejinha ouvia vozes que vinham do seu interior. Espiou. Tirou seu capacete e viu um padre ao lado de uma senhora que com o véu na cabeça gesticulava e apontava para si.
Pé ante pé, ajoelhou-se, precisava de um alento naquele turbilhão de pensamentos e culpas por erros que não tinham mais como serem corrigidos. Lágrimas caem de seu rosto...
O padre percebeu o desespero do rapaz. Pede licença à beata e se dirige a ele dizendo:
- Venha meu filho. Vamos até à sacristia, acho que você precisa conversar...

Depois de se confessar Alexandre se sentia menos culpado. O que fizera com cadáver poderia até ser monstruoso, mas foi em desespero e a pessoa já estava morta.
Voltou para o quarto da pensão. Tinha a intenção de pegar suas coisas, devolver a bicicleta alugada e voltar para sua casa.
Entretanto, nada seria tão fácil como ele imaginara. Ao chegar na pensão para acertar suas contas deparou-se com o Prof. Antônio, aquele mesmo que conversara na frente do mar. Ele tinha um filho hospedado ali com a família, visto que sua casa no Pântano do Sul era pequena e já estava cheia. Fora até o local buscá-los para jantar em sua casa.
Bem, agora ele não poderia mais sair apressadamente, teria que ter mais paciência, mas também nem tinha comprado passagem para aquela noite. Se bem que passagem para Porto Alegre, geralmente havia possibilidade, visto que havia vários ônibus saindo desta capital para aquela.
O professor quando o viu logo veio logo ao seu encontro, cumprimentando-o efusivamente e ele disfarçou a impaciência e o desconforto daquele reencontro, porém o professor puxa uma cadeira e faz menção de se sentar para uma conversa.
Alexandre então perguntou:
- Onde o senhor lecionava antes da aposentadoria? Quais matérias lecionava? Tinha muitos alunos?
Na realidade ele não queria resposta alguma, mas tentar disfarçar o desconforto que sentia. Desta forma inventou outras perguntas sem esperar pelas respostas das que já tinha feito.
O Professor Antonio explicou que leciona Medicina Legal, na Faculdade de Medicina da PUC/Porto Alegre, para turmas mistas, sempre com 40 a 50 alunos. Adorava lecionar e ver o entusiasmo das garotas e rapazes, discutindo meandros de perícias e as possíveis causas da morte. Continuou falando de suas experiências como docente, em sua cidade, mas Alexandre já não prestava mais atenção à conversa, sendo despertado do seu alheamento quando ouviu o professor lhe perguntar:
- Onde e como você machucou tanto suas mãos?
Alexandre sem saber o que responder disse:
- Sou artesão/carpinteiro e sempre me machuco no trabalho, mas recentemente tive uma briga. Alguém tentou roubar minha bicicleta. E deu o assunto por encerrado.
O professor que era especialista na área, aposentado, sem ter o que fazer, ficou matutando sobre as respostas. Não satisfeito pensou, depois pego o endereço deste rapaz na recepção. Acho que vamos ter que conversar mais sobre este assunto futuramente.
Quando Marina chegou à cidade, todos os homens a queriam. Tinha um jeito sedutor no olhar e seu modo de caminhar enfeitiçava todos os homens. Ela fora para a ilha com um namorado, Fábio, mas logo a relação terminou. Era estudante, na Universidade Federal e sobrevivia como doceira, fizera um curso de culinária em Osório com uma requintada doceira daquela cidade, chamada Silvania. Aprendera a colocar sensualidade e prazer no sabor.
Pedro era um homem tímido, solitário, talvez a profissão de pescador o induzira a viver bem assim. Não tinha namorada. As mulheres não o achavam interessante e ele tentava não chamar muito a atenção para si. Havia aprendido a ser assim e se escondia na bebida que ora ou outra ingeria até quase cair.
E foi isto o que aconteceu naquele inicio de noite, numa tarde chuvosa de abril.
Pedro fora uma das vítimas daquelas maravilhas e ficara envolvido nas doçuras daquela paixão. Para alimentar seus sonhos ele a seguia sempre que podia. Nunca havia visto uma mulher tão sedutora e sem pudores. Estava enfeitiçado e a magia da ilha contribuía para isto. Dizia-se que muitas bruxas eram atraídas para a ilha e usavam as mais diversas artimanhas para terem os homens aos seus pés.
Naquela noite fatídica ele a seguira tão logo ela saira do bar onde ele também bebia, ficara longe espiando-a e viu quando ela encontrou Alexandre. Vira quando ela tentara seduzi-lo e assistiu quando a história tomou outro rumo. Alexandre ficou enfurecido com o assédio da mulher. Ele a empurrou e ela se desequilibrou e caiu entre as pedras. Alexandre se foi. Pedro que viu tudo estava estarrecido. Tremia tanto que não podia se mover de onde estava. O medo e a chuva o deixaram sem ação. O corpo havia caído bem perto de onde estava. Quando o rapaz sumiu foi até o local e vira que a mulher estava morta. Fugiu do local. Foi para sua casa e já com o álcool fazendo efeito, deitou e dormiu.
Na manhã seguinte foi ao quintal colher ervas para um chá. O aroma se espalhou pela casa, o tremor que sentia foi passando, mas as lembranças não o deixavam. Teria sido aquilo um sonho?  Ligou o rádio e em todos os jornais das emissoras que zapeava só ouvia:
- Mulher assassinada é encontrada nua e decapitada no Morro das Pedras.
Estava apavorado. Era cúmplice de um crime.
O que iria fazer? Pensou pobre e bêbado vão me acusar. Resolvera calar-se...


______________________

Construção coletiva do segundo capítulo com a colaboração de:
Heloisa Mascolo, Marlene Nahas, Natir Lacerda e Silvânia Anderson





CAPÍTULO III


A SAGA CONTINUA





Postar um comentário