Google+ Badge

sábado, 29 de maio de 2010

ESPERANÇA




Quando eu era criança
Ouvia que “a esperança
É a última que morre”
Disse-me a colega Titi

E como sua avó
Chamava-se Esperança
Ela pensava que ela
Talvez não morresse nunca...

Descobriu ainda criança que o ditado
Não era verdadeiro
No dia em que sua avó morreu
E deixou as lágrimas caírem sem compreender...

Descobriu também que a vida
Algumas vezes mostra sua faceta real
Desmente que papai Noel não existe
E que é bobagem o natal...

Quero minha Esperança de volta
Quero colocar minha cesta com capim
Embaixo da cama esperando o coelhinho da páscoa
Mas quero também dormir cedo
Para que o Papai Noel desça
De novo pela chaminé me trazendo os presentes de Natal...

Mário Feijó
29.05.10
Postar um comentário