Google+ Badge

domingo, 11 de outubro de 2015

DOCES AMARELOS

DOCES AMARELOS

         Hoje depois do almoço peguei o jornal Zero Hora e comecei a ler o encarte de domingo, o Caderno Dona. Na capa Glória Menezes, resolvi ler a entrevista que ela deu. Sua história. Sua vida com Tarcísio Meira. Sua filha Maria Amélia chegando e eu dormi com elas chegando para a entrevista. Nesta hora eu dormi ou fui transportado para a entrevista. Não gostei de Maria Amélia. Não foi receptiva comigo (desculpe Maria Amélia, não conheço você pessoalmente).
Conversa vai, conversa vem, estávamos naquela mansão toda branca. Linda e branca. Criados por todo lado. Não sei se era a casa de Glória e Tarcísio, mas me pareceu que sim. Tive sede e como não achei água, nem os criados ofereceram eu levantei uma orquídea e tomei a água que estava no vaso.
Conversando com Glória apresentei-me como escritor e fui ao carro buscar alguns de meus livros. Achei quatro dos mais antigos, mas os três últimos não estavam lá. Fiquei decepcionado. Queria mostrar os trabalhos mais recentes. Tudo isto fazia com que Maria Amélia antipatizasse mais e mais comigo. Parecia que eu não era competente e eu queria provar que era.
Trouxe-os mesmo assim e até entreguei um exemplar do meu livro infantil “O Menino Molhado”, não sabia se ainda havia crianças na família, mas pensei que Glória pudesse ter bisnetos.
Sugeri que, se ela permitisse, escreveria sua biografia. Ela mostrou-se feliz e eu disse que já tinha escrito a de Fernanda Montenegro (no sonho era real, mas mesmo em sonho acho que delirei).
Nesta hora Maria Amélia disse:
- Mamãe, o título poderia ser “Doces Amarelos”, são os que a senhora mais gosta.
No sonho foi lindo. Todos aprovaram imediatamente e eu achei incrível. (Quando acordei achei bobo). Porém no sonho eu pensava em “pastel de Belém” e “fios de ovos”, delícias portuguesas que Maria Amélia disse que a mãe provara em Portugal e adorara.
O local onde eles moravam era algo cinematográfico. Havia um jardim muito grande e bem cuidado. Flores por todo lado, mas, os criados, não sei qual o motivo, ficavam todos na saleta escutando a conversa. E eu ali morrendo de sede.
Comecei a conversar com Glória e a planejar o livro. Tinha vontade de assistir a peça que ela apresentaria hoje em Porto Alegre (Ensina-me a viver), eu já lera o livro e me divertira muito, mas não o motivo, não poderia ir. Além do mais ela estava ocupada demais com a entrevista e com a peça que mais tarde apresentaria no Teatro São Pedro, por isto eu não poderia ficar mais ali. Sai e, morrendo de sede, voltei a beber a água do vaso de orquídeas, pensando em mil histórias daquela diva da televisão para colocar em Doces amarelos.

Mário Feijó
11.10.15


Postar um comentário