Google+ Badge

domingo, 23 de abril de 2017

CONTANDO O TEMPO




CONTANDO O TEMPO

Tu querias brincar de amar
Sem ao menos fazer amor
Então eu te dei a liberdade
Numa carta de alforria

Ai tu, criatura perdida,
Não sabias o que fazer
Com esta liberdade

Agora te debruças nas janelas
Vendo o tempo passar célere
Onde só passam pessoas
Enquanto isto passam-se os dias, meses e anos

Em desespero apenas contas
1, 2. 3, 5, 9... 300
Enquanto te perdes no infinito...

Mário Feijó

24.04.17
Postar um comentário